Eu já assisti. Na minha opinião, poderia ter tido um outro final. Assistam e confiram... Vejam o press release na Folha Online: "Apes...

Última Parada 174

19:40:00 Blog da PP do Moura Lacerda 1 Comentários

Eu já assisti. Na minha opinião, poderia ter tido um outro final. Assistam e confiram...
Vejam o press release na Folha Online:
"Apesar de ser uma obra ficcional, o filme de Barreto é inspirado na história real de Sandro do Nascimento, o seqüestrador do ônibus da linha 174, no Rio, em 2000. Depois de horas de negociação, Nascimento decidiu descer do ônibus usando uma refém como escudo e foi abordado por um policial, que disparou em sua direção, mas acabou acertando a garota.
"Li tudo a respeito desse seqüestro em Santo André nos jornais", disse o cineasta. "A presença que a mídia tem é muito grande na vida das pessoas, vejo a intersecção das duas histórias por aí. A necessidade que Lindemberg [Fernandes Alves] tinha de ser visível também aconteceu com o ônibus, das pessoas verem sua dor. Esse é um dos subtextos presentes no filme."
Ao tomar conhecimento da história real em torno do seqüestro do ônibus 174, Barreto se sensibilizou em particular com o amor incondicional que a mãe adotiva de Nascimento tinha por ele. Uma mãe que perdeu o filho quando ainda era um bebê e acreditava que o tinha reencontrado anos depois na figura do rapaz.
O roteirista Bráulio Mantovani chegou a conversar com ela uma única vez, na casa dela, após muita insistência. Foi tão difícil que quase desistiu de fazer o filme. "Ela é muito sofrida, fala baixinho", lembrou. Mantovani chegou a tocar numa questão delicada: um teste de DNA comprovou que ela não era a mãe de Nascimento. A resposta dela foi um sorriso irônico.
Já Barreto não quis conhecer nenhum personagem da história real para não correr riscos de influenciar sua ficção. "O Bráulio deu vida própria à história do filme", completou. O cineasta preferiu também rostos desconhecidos a atores que sejam famosos ou que já tenha o rosto estampado na revista "Caras". Por isso, a exaustiva bateria de testes"

Fonte: Folha Online
Postado por FERNANDO MELLO

Um comentário:

  1. ... é. Ser roteirista não é fácil não! Provocar essa situação e ver provado que a mulher não era mãe do cara; delicado, no mínimo. Qro aproveitar p dizer que, se alguém aventurado em roteiros,passar por aqui,queira entrar em contato_renataclark159@gmail.com

    ResponderExcluir